Manaus sedia Conferência Internacional de Turismo Sustentável na Amazônia
7 alimentos para tunar a imunidade das crianças nos dias frios
Como surgiu a tradição dos biscoitos da sorte?
Cinco dias de festa por Manaus e Rios da Amazônia
BUTECO DO GUSTTAVO LIMA É SUCESSO DE VENDAS
Como preparar o filho pequeno para trocar de escolinha?
Track&Field destaca destino brasileiro em sua campanha de Inverno 2020
10 tendências em looks para o fim de ano (quando e como usá-las)
Jardim Japonês – Caldas Novas em Goiás
previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider

Inteligência artificial ajuda a identificar hemorragia cerebral

By  |  0 Comentários
Compartilhe nas Redes Sociais

Cientistas da Universidade da Califórnia desenvolveram um sistema que utiliza inteligência artificial para identificar hemorragias cerebrais com mais rapidez. A tecnologia trabalha com a análise de exames de raios X para identificar sinais de sangramentos no cérebro com precisão próxima à de profissionais humanos.

Esther Yuh, cientista da universidade, e sua equipe criaram um sistema de inteligência artificial que interpreta diversas imagens de raio X do cérebro para encontrar possíveis anomalias referentes a sangramentos. Caso alguém chegue ao hospital com sintomas ligados a hemorragias cerebrais, como concussão e tontura, uma tomografia é realizada para identificar o que pode estar acontecendo.

Tomografias analisadas pelo PatchFCN. (Fonte: Arxiv.org/Reprodução)

Normalmente, médicos podem encontrar dificuldades em identificar pequenos pontos nas imagens em preto e branco, comentou Yuh; por isso, seu time criou o software PatchFCN e o treinou com quase 4,4 mil imagens de tomografias. Depois disso, foram feitos testes em 200 imagens escolhidas aleatoriamente, e a inteligência artificial se saiu tão bem quanto quatro radiologistas.

A cientista explicou que o software pode ser usado não para substituir um médico, mas sim para auxiliar o seu diagnóstico, agilizando o atendimento, algo que pode salvar vidas, principalmente se tratando de hemorragias cerebrais. De acordo com Yuh, agora é hora de testar o software em ambiente real e comprovar que ele pode realmente ajudar a melhorar a performance dos médicos.

Fonte: New Scientist

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
1
Olá!
Bem Vindo a Revista Digital mais querida da Amazônia!
Powered by