Pedro Monteiro: o planejamento financeiro nas empresas

Com o desaquecimento da economia e o constante aumento da concorrência que a maioria das empresas amazonenses vem enfrentando, ter um planejamento financeiro tem se tornado indispensável para todo empresário, independente de seu ramo de atuação.

Muitas empresas têm variações sazonais nas suas receitas, que se traduzem em períodos no qual o dinheiro é abundante e momentos em que pode ocorrer a sua escassez. Assim, na construção do planejamento financeiro, o empresário deve levar em conta esses ciclos, para manter um rígido controle sobre as despesas durante os períodos de baixas receitas.

Ter um planejamento financeiro bem delineado leva o empresário a duas situações. A primeira é o aumento do seu poder financeiro possibilitando a ampliação do seu negócio, e a segunda, é a possibilidade da diminuição do risco da necessidade de um eventual aporte de recursos próprios na sua empresa ou até mesmo de ter que recorrer à contratação de empréstimos bancários emergenciais que geralmente possuem altas taxas de juros.

Muito importante neste processo de planejamento é a consulta a um profissional habilitado, sendo recomendado um Economista devidamente registrado no Conselho Regional de Economia – CORECON. Esse profissional pode orientar a sua empresa analisando e propondo melhorias que vão, desde o pleito de recursos financeiros a juros subsidiados em bancos e instituições governamentais, até à redução do pagamento de impostos por meio de uma análise tributária que pode levar ao usufruto ou otimização de incentivos fiscais. Dessa forma, o produto dessa consultoria pode resultar, principalmente, na redução dos custos financeiros da empresa e no aumento do poder de investimento do empresário por meio da otimização do fluxo de caixa, de forma que ele possa antecipar o futuro do seu empreendimento, ao concretizar algo que não seria possível sem esse planejamento.

Em suma, o trabalho do Economista tem como objetivo propor soluções que possam levar a geração de maiores lucros para o seu negócio e, consequentemente, renda, emprego e desenvolvimento para o Estado.

*O Autor é Economista graduado pela UFAM, pós-graduado em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas – FGV, possui MBA em Inovação pela Universidade do Novo México (EUA), é Diretor Adjunto da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas – FIEAM, Conselheiro do CORECON-AM e atua como consultor de empresas.

Artigos Relacionados