Como ter sucesso na implantação de um chatbot
Defesas orais dos projetos do Conexões Culturais 2019 entram na reta final
7 pontos mais importantes para a saúde de crianças e adolescentes
BRAZILFOUNDATION CELEBRA MULHERES NOTÁVEIS
Harmonização Facial e a mudança na autoestima.
Praia do Olho D’água – Maranhão
5 livros para estimular o hábito da leitura nas crianças
TORNANDO-SE UM EMPREENDEDOR DE SUCESSO
QUANDO DÍVIDAS BLOQUEIAM SEUS CARTÕES DE CRÉDITO E PASSAPORTE
Doutor, até que idade posso engravidar?
YOUGUMANIA LANÇA SABORES ESPECIAIS DE GELATO
Cintura baixa de volta? Saiba como combinar calça polêmica
Competição em Aulas de Educação Física: Como Estimular seu Aluno?
previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider

COMIDA JAPONESA: MEU FILHO PODE COMER?

By  |  0 Comentários
Compartilhe nas Redes Sociais

Eu já vi pais não oferecer comida japonesa para os filhos achando que eles não podem comer. Aliás, existem muitas dúvidas em relação ao consumo da culinária japonesa na gravidez e também se as crianças podem consumir.

Para falar desse assunto, a nutricionista Roseli Ueno, esclarece se criança pode ou não comer e, além disso, ainda compartilha alguns exemplos de alimentos da culinária japonesa que fazem muito bem.

Há alguns anos a culinária japonesa era vista como exótica e as pessoas “torciam o nariz” quando olhavam os pratos sendo preparados. A globalização permitiu o acesso à essa refeição e a comida japonesa caiu no gosto do brasileiro. Ela recebeu um toque do tempero brasileiro e hoje a maioria do pessoal que trabalha na cozinha dos restaurantes japoneses não são de origem nipônica e sim brasileiros, principalmente nordestinos. 

Clique e Confira: Mais conteúdos para os pequenos em – Visão Kids

 
Mas os pais se sentem inseguros em levar os filhos pequenos para o restaurante japonês. Muitos acreditam que o cardápio se restringe ao peixe cru e arroz (SASHIMI OU SUSHI). No entanto, a culinária japonesa é muito rica em vegetais, peixes, soja e algas marinhas. Há preparações cozidas, assadas, cruas ou grelhadas. Além disso, os chefes se esmeram em trabalhar o visual, a harmonia do prato e o equilíbrio dos nutrientes.

ALGUNS EXEMPLOS DE CULINÁRIA JAPONESA QUE AS CRIANÇAS PODEM COMER:

  • missoshiru – sopa a base de missô (pasta de soja fermentada), pode acompanhar cebolinha, algas, “tofu”, vôngole. Ótima opção pois, além de fornecer proteína vegetal, isoflavonas, é um alimento digestivo e de poucas calorias;
  • “tofu”- “queijo” de soja pode acompanhar gengibre e cebolinha;
  • teppan yaki – preparação grelhada com legumes e proteína animal (peixe, frango, carne) e/ou vegetal (cogumelos);
  • sukiyaki – ensopado de verduras e legumes, tofu (“queijo” de soja), cogumelos e pouca quantidade de carne vermelha, muito apreciado no inverno;
  • batayaki – legumes como berinjela, vagem, abobrinha, ervilha torta e outras verduras grelhadas;
  • “gohan” – arroz branco sem tempero ou gordura. O arroz branco é cozido sem óleo ou sal;
  • “mame” – soja verde cozida;
  • vegetais – os legumes e verduras são cozidas “al dente” mantendo a textura e os nutrientes dos vegetais. Ricos em fibras, permite o bom funcionamento dos nutrientes e, além disso, fornece diversos minerais, vitaminas e antioxidantes;
  • Peixes (usados fartamente) além de fácil digestão, oferecem os aminoácidos essenciais (aqueles que o organismo não consegue produzir), e algumas variedades apreciadas como o atum e anchova são ricos em ômega 3;
  • alga marinha como “nori”, “kombu”, “wakame” – não fornecem praticamente calorias, conferem sabor e ajuda na imunidade, fornecem vitamina K que ajuda na circulação sanguínea;
  • cogumelos como shitake, shimeki, hiratake, entre outros: possuem poucas calorias, são ricos em fibras e ácido glutâmico (ajudam a fortalecer a imunidade);
  • “bento” – marmita que as crianças levam para o almoço ou jantar. São sempre coloridos, pouca quantidade e variado diariamente.  

A CULINÁRIA JAPONESA É MUITO RICA, PORQUE BUSCA EQUILÍBRIO NUTRICIONAL E HARMONIA NOS PRATOS

O que vale ressaltar é que os pratos japoneses são sempre coloridos, ricos em verduras ou legumes diversos, “tofu” (queijo de soja), algas marinhas e pouca carne vermelha com mais frutos do mar e peixes. Há a busca pelo equilíbrio nutricional e harmonia nos pratos. Além de trabalhar a questão do visual, a ideia é comer com os olhos, logo não é a quantidade de alimentos que fará o prato saboroso e nutritivo. Sempre tem uma porção de proteína (na maioria das vezes peixes, aqui no Brasil tem as opções de carne e frango), carboidratos (arroz, inhame, cará), fibras (verduras e legumes diversos refogados ou cozidos – detalhe que são usados mais vegetais que não são habituais para os brasileiros no dia a dia, como raiz de bardana – “gobo”, cará, mostarda, espinafre japonês, raiz de lótus, gergelim, gengibre, cebolinha e, além disso, cogumelosshitake, shimeji, entre outros).

O cuidado é evitar o excesso do molho de soja (shoyu) e glutamato monossódico. E como em todo tipo de culinária, evitar ou não exagerar no consumo de preparações ricas em gordura como “tempura” (empanado a base de farinha e água e frito em imersão de óleo), sushis que usam peixe, camarões, vegetais fritos ou sushi empanado e frito. Não exagerar no arroz pois é fonte de carboidratos. Incentivar a criança a comer depende dos hábitos dos adultos. Se o adulto possui alimentação variada e cardápio equilibrado e diversificado, não fica difícil incluir um toque oriental. 

Fonte: https://www.macetesdemae.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
1
Olá!
Bem Vindo a Revista Digital mais querida da Amazônia!
Powered by