Manaus sedia Conferência Internacional de Turismo Sustentável na Amazônia
7 alimentos para tunar a imunidade das crianças nos dias frios
Como surgiu a tradição dos biscoitos da sorte?
Cinco dias de festa por Manaus e Rios da Amazônia
BUTECO DO GUSTTAVO LIMA É SUCESSO DE VENDAS
Como preparar o filho pequeno para trocar de escolinha?
Track&Field destaca destino brasileiro em sua campanha de Inverno 2020
10 tendências em looks para o fim de ano (quando e como usá-las)
Jardim Japonês – Caldas Novas em Goiás
previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider

Cientistas teriam descoberto cura eficaz e definitiva para a calvície

By  |  0 Comentários
Compartilhe nas Redes Sociais

Cientistas do Sanford Burnham Prebys, um centro de pesquisas médicas situado na Califórnia, EUA, anunciaram a descoberta de uma possível cura para a alopecia – ou seja, para a perda de cabelo que pode levar à calvície. A técnica, que consiste em usar células do próprio paciente, foi testada com sucesso em ratinhos de laboratório e, agora, deve ser aplicada em estudos clínicos envolvendo humanos para provar sua eficácia.

A carequice acabou?

O processo que vem sendo desenvolvido pelos pesquisadores consiste em coletar células das papilas dérmicas – pequenas protuberâncias compostas de células situadas na base dos folículos presentes na derme responsáveis por formar a raiz dos pelos – que agem como células-tronco embrionárias e criar com elas uma estrutura que, depois, é implantada sob a pele dos pacientes.

Conforme mencionamos antes, a técnica foi testada em ratinhos “carecas”, e as culturas criadas com as células das papilas dérmicas obtidas a partir de dadores humanos deram origem a tufos de cabelo nos animais. Essas culturas, aliás, são produzidas em estruturas tridimensionais feitas de um material biodegradável parecido com o usado em suturas que são absorvidas pelo organismo – portanto, desaparecem após o tratamento. Confira abaixo uma imagem divulgada pelos pesquisadores mostrando o resultado de um dos experimentos:

(Fonte: New Atlas/Sanford Burnham Prebys/Divulgação)

Segundo explicaram os cientistas, a técnica agora será refinada para ser testada em humanos, e a expectativa é bastante positiva. Isso porque as células necessárias para o tratamento podem ser obtidas através de uma simples amostra de sangue do paciente e, como se trata de seu próprio material, o risco de que ocorram complicações ou rejeição depois que as células forem reimplantadas no couro cabeludo é mínimo.

Na realidade, uma técnica semelhante já havia sido desenvolvida há alguns anos, mas a vantagem do método atual é que os cientistas conseguiram controlar não só o crescimento do cabelo, mas também a quantidade e a direção em que os fios nascem.

Se tudo der certo nos ensaios clínicos, o tratamento poderá ajudar milhões de pessoas no mundo que sofrem de calvície resultante de problemas se saúde, idade avançada ou herança genética, e consistirá em uma alternativa mais eficaz e permanente, uma vez que as opções atuais são os caríssimos implantes ou o uso de medicamentos, como minoxidil e finasterida.

Fontes: New Atlas / Nick Lavars Independent / Alex Matthews-King Daily Mail / Marlene Lenthang e Sam Blanchard

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
1
Olá!
Bem Vindo a Revista Digital mais querida da Amazônia!
Powered by