Caprichoso encerra festival com “Favorável Sentença” pelo tricampeonato

“O Brasil que a gente quer reinventar” começou a ser apresentado pelo Boi Caprichoso com o módulo de Jesus Cristo flagelado, onde o bumbá fez a primeira aparição para saudar a galera azul e branca, na noite deste domingo, (30/06). A Figura Típica Regional “A Cabocla Lavadeira”, sob a trilha musical da toada “Matriarca”, foi a primeira alegoria da noite, obra do artista Makoy Cardoso e equipe.

A arena do Bumbódromo simbolizou o protagonismo das mulheres da Francesa e dos beiradões do Amazonas, com a aparição da Porta-Estandarte, Marcela Marialva, conduzida por uma lavadeira lara a evolução. A alegoria se abriu para revelar a “Exaltação Folclórica Mestras do Saber Popular”, com Nossa Senhora do Carmo, padroeira de Parintins, como figura principal.

Nesse contexto, surgiram a Sinhazinha da Fazenda, Valentina Cid, e o tripa Alexandre Azevedo com o Boi-Bumbá Caprichoso para evoluírem na arena, juntamente com o Amo do Boi, Prince do Caprichoso. Na alegoria “Teoká, Terra Tirada”, obra do artista Nonôca Costa e equipe, o Caprichoso apresentou o momento tribal com o canto “Mátria Esperança” para reverenciar o renascimento pela resistência dos povos originários de Norte à Sul do Brasil.

A arena do Bumbódromo tornou o rio Uaupés durante a execução da Lenda Amazônica “Caximarro: As Três Guerreiras”, alegoria confeccionada pelo artista Geremias Pantoja, que mostrou o castigo de índias, por transgredirem os costumes sagrados do período da puberdade, transformadas em pedras, até hoje vistas em frente à São Gabriel da Cachoeira. Do módulo central, surgiu a Cunhã-Poranga, Marciele Albuquerque.

Com show de efeitos especiais, “Dinahí”, gigantesca alegoria do artista Juarez Lima em forma de serpente, entrou na arena transfigurada em espírito de consciência ambiental e retratou, em mais um momento tribal, o empoderamento de uma líder do povo manau, vítima de feminicídio na época da colonização da Amazônia. A Rainha do Folclore, Cleise Simas, representou a cobra grande encantada, coroada em protetora das águas, adormecida no encontro do rio Negro com o Solimões.

A escassez de alimentos no rio Iquê, consequência das construções de hidrelétricas, ganhou forte dramaturgia no grande Ritual Indígena “Enawenê-Nawê: Yãkwa, A Favorável Sentença”, alegoria assinada pelo artista Algles Ferreira. O povo indígena Enawenê-Nawê, atualmente, compra os peixes para oferendas aos espíritos pela continuidade do equilíbrio da vida. A cerimônia, celebrada pelo pajé, Neto Simões, com danças sagradas ancestrais, clamou pela manutenção da relação harmoniosa entre o mundo dos vivos com o sobrenatural.

Caprichoso Encerramento Parintins 2019 01
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 02
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 03
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 04
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 05
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 06
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 07
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 08
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 09
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 10
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 11
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 12
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 13
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 14
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 15
previous arrow
next arrow
 
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 01
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 02
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 03
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 04
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 05
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 06
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 07
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 08
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 09
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 10
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 11
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 12
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 13
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 14
Caprichoso Encerramento Parintins 2019 15
previous arrow
next arrow

Artigos Relacionados