Vernissage Diverso

Vernissage Diverso - Foto: divulgação.

Artistas amazonenses realizam exposição no vernissage Diverso

A pluralidade dos trabalhos apresentados dá o tom através de conexões óbvias, e ao mesmo tempo, improváveis.

Diversidade. Essa palavra é difundida aos quatro cantos no mundo inteiro. É contemporâneo. Faz parte da vida e da sociedade moderna. Ela se caracteriza pela não existência de uma relação usual entre os seres. Aqui, no vernissage Diverso, o ancestral cruza o caminho do novo, ambos se chocam e se misturam, fazem contraponto e paradoxo, fazem semelhança e analogia.

O evento ocorre nesta sexta-feira, dia 11 de fevereiro, a partir das 19:00 hs, no espaço de artes Casa Violeta, na Rua Viena, número 18, Planalto.

A Casa Violeta

O local, por si só, já é um convite para apreciar a arte despretensiosamente. Lá, cada detalhe dos 300 metros quadrados foi minuciosamente pensado para encantar os visitantes, que se surpreendem com a quebra do modelo pré-concebido de uma galeria. Parece que estamos em casa. O projeto visual e paisagístico é a cereja do bolo dos eventos. O nome vem de uma antiga moradora, Maria Violeta Freire, natural do Rio Grande do Norte, mas que aqui fincou suas raízes.

O fotógrafo Henrique Schmeil, morador da casa um dos expositores, diz que “a casa virou um refúgio, um santuário”. Violeta era uma verdadeira entidade, que abraçou o lugar e fez dele mais que uma casa, fez um lar.

Produção

O Vernissage Diversa é uma realização da Casa Violeta, da Odisseia Galeria, de Curitiba (PR), que também faz a curadoria, e da Galeria Verão, com apoio local da loja Fast Frame, ambas capitaneadas com excelência pela arquiteta Adriana Verão. Outra personalidade que dá seu toque luxuoso no evento é a querida Fefa Cacheado, empresária de sucesso.

Os artistas

O vernissage Diverso será encabeçado por quatro artistas. São eles o fotógrafo Henrique Schmeil, o escritor e artista plástico Turenko Beça, o também artista plástico com forte influência indígena Raiz Campos e o cenógrafo, aderecista e também artista plástico Helerson da Maia.

Henrique Schmeil

Ativista sempre engajado em causas humanitárias, já percorreu boa parte do mundo em prol daquilo que acredita. E dessas viagens, não faltaram registros fotográficos. Sua predileção são as pessoas, suas realidades, cheias de contrastes e diferenças. Parte desse acervo fotográfico estará em exposição na Diverso.

Turenko Beça

O talento vem de berço. Filho do escritor e poeta Aníbal Beça, Turenko desenvolve a arte sob diversas óticas – tudo a ver com a curadoria do Diverso. Ele desenvolve desde pinturas, até esculturas e grafites. Além disso, é professor universitário, antropólogo e foi diretor de museus importantes em Manaus.
Um tema bem presente em suas obras é a questão indigenista, que no Diverso estarão expostas em 10 telas, retratando a Amazônia e seu povo nativo.

Raiz Campos

Artista plástico responsável por embelezar vários pontos de Manaus, com grafites apresentando o indígena sob uma ótica mais profunda, envolto em questões que ultrapassam as fronteiras da Amazônia. Já teve obras expostas em diversos países, e recebeu o prêmio nacional da Fundação Bunge na categoria Arte Visual de Rua – Juventude, em São Paulo, e fora do país recebeu reconhecimento do Humboldt Fórum, centro de exposições da Alemanha, por seu trabalho de projeções de ciclos anuais com indígenas de São Gabriel da Cachoeira. Parte desse acervo estará em exposição no Diverso.

Helerson da Maia

Parintinense, carrega consigo a força do povo guerreiro que um dia habitou essas terras. Artista completo que tem forte ligação com a moda, o que proporcionou a Helerson expor suas obras em vários países da Europa, como Inglaterra e Itália. Como aderecista, também já participou da curadoria de desfiles do carnaval do Rio e de São Paulo, e da cerimônia de abertura das Olimpíadas do Rio, em 2016.
Helerson vai expos no Diverso cocares típicos dos festivais de Parintins, produzidos com os mais diversos materiais, naturais e sintéticos.

Artigos Relacionados